A morte de uma civilização imersa no pecado

https://i0.wp.com/www.ipco.org.br/home/wp-content/uploads/2012/08/body-pierce.jpg

O mundo ocidental ex-cristão vai afundando num mar de lama, em meio a trevas cada vez mais densas. O vício e o erro são glorificados enquanto a virtude e a verdade perseguidas. Orgulha-se não mais da retidão moral e do primado da razão, mas do libertinismo e do domínio da irracionalidade, da “desconstrução” dos conceitos que sustentam a vida de pensamento.

A crise da família, a perversão da juventude, o crescimento da violência gratuita, sem sentido, ou fruto de uma criminalidade cada vez mais intensa, vai se alastrando mais e mais.

Assistimos ao tenebroso ocaso de uma civilização, uma nova invasão dos bárbaros, mas que não vem de fora cavalgando pelas estepes ou cruzando os mares em barcos arrojados, mas nascem e crescem neste mundo que eles vão destruir. São o fruto de uma deseducação que recebem da sociedade, das escolas, dos lares destruídos, de uma mídia e uma indústria do entretenimento enlouquecidas.

Nenhuma civilização se mantém e progride sem ter por base um pensamento lógico e coerente e uma moral sólida e consequente. Em outros termos, a verdade e o bem são os pilares sobre os quais se alicerçam uma vida social, cultural e religiosa que dão sentido à vida individual e coletiva dos povos. Sem isso se tem o caos. Caos nas mentes, nos costumes, e na sociedade.

A corrida atrás de uma liberdade absoluta, sem freios, fez com que o homem abandonasse toda restrição imposta pela moral, pela lógica e mesmo pela natureza. A desconstrução da verdade e do bem o levou a desconstruir a realidade de seu próprio corpo negando a evidência do seu gênero sexual conforme a anatomia e a fisiologia de seu corpo, lançando-se na irrealidade da cultura homossexual.

Sem a verdade para guiá-lo e sem a moral para dirigi-lo, o homem ficou como um náufrago perdido na imensidão do mar e deixando-se levar pelo vagalhão das ondas, sem rumo definido e sem finalidade ou direção.

Quando, a partir do Renascimento, a civilização ocidental começou a voltar as costas para a “filosofia da Evangelho” que, segundo o Papa Leão XIII, caracterizou a Cristandade medieval, iniciou-se um longo processo de apostasia que chegou até a esta sociedade virtualmente atéia de hoje.[1]

Rejeitando o cristianismo, esta decadente civilização rejeitou a Cristo; e rejeitando Aquele que é a própria Verdade, ela passou a amar o erro e portanto a irrealidade, o mundo da fantasia. Afastando-se da verdade e do bem, esta sociedade passou a buscar sua satisfação no pecado, imergindo-se no pecado, na revolta contra Deus.

Esta é a razão pela qual esta civilização vai morrendo, porque como nos lembra São Paulo, “o salário do pecado é a morte” (Romanos, 6:23).


[1] Cfr. Plinio Corrêa de Oliveira,  Revolução e Contra-revolução, http://revolucao-contrarevolucao.com/revcontrarev.asp?id=’Parte%20I’.

http://ipco.org.br/home/noticias/a-morte-de-uma-civilizacao-imersa-no-pecado#more-13142

Anúncios

Caro leitor, peço que seu comentário seja sempre em relação à publicação. Obrigado!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s