Vinho da época de Jesus seria intragável para os padrões atuais

As vinhas da história

 

Um acadêmico revisa a trajetória do vinho e conclui que a bebida que era assim chamada na Antiguidade tem pouco em comum com a que se consome hoje

 

Escavações em um sítio arqueológico em Lattes, na costa mediterrânea da França, provaram que os gauleses produziam vinho pelo menos desde o século V a.C. O trabalho da equipe do arqueólogo Patrick McGovern, da Universidade da Pensilvânia, publicado em junho, apresenta assim a evidência mais antiga de vitivinicultura no país hoje líder no setor. Ela vem se somar a centenas de outras que confirmam a tradição milenar da bebida – tradição que os produtores e comerciantes adoram cantar e os consumidores, ouvir. O vinho de nossos dias tem, contudo, pouco em comum com aquele bebido por Sócrates em O Banquete, de Platão, ou por Jesus Cristo na Santa Ceia. É uma invenção recente. Essa é a tese do livro Inventing Wille: A New History of One of lhe World’s Most Aliciem Pleasures (Inventando o Vinho: uma Nova História de um dos Prazeres Mais Antigos do Mundo), de Paul Lukacs.
 
Segundo o autor, o aroma e o sabor do vinho na Antiguidade seriam detestáveis para o paladar moderno: um fermentado de uva oxidado, avinagrado, repleto de contaminações por fungos e bactérias. Devido à falta de higiene e à incapacidade tecnológica de evitar o contato do liquido com o ar, o vinho dos dias de Sócrates e Jesus nem tinha os aromas frescos da juventude nem envelhecia de forma saudável. O remédio aplicado piorava as coisas. Para disfarçarem o mau cheiro, os antigos usavam ervas aromáticas secas, pimenta e outras especiarias. Na tentativa de aumentarem a longevidade acrescentavam mel e até sal à bebida. Para impedirem a entrada de ar nas ânforas, besuntavam-nas com óleos e resinas de diferentes árvores. Tudo isso alterava o vinho. Nem por isso os amigos deixavam de apreciá-lo. Plínio, o Velho, que no século I dissertou longamente sobre a bebida em sua História Natural, era um connoisseur das diversas resinas usadas para a vedação de ânforas.
 
As diferenças entre o vinho de então e o de hoje estão não só no sabor mas, nota Lukacs, também na sua função social, que no passado era menos ligada ao prazer e mais à religião. Nos primeiros relatos da Antiguidade, o vinho aparecia como uma bebida de caráter divino. Usada em rituais e nos templos, não precisava ter qualidade. Depois, nas cidades-estado gregas e em Roma, começou a surgir um mercado do vinho já mais preocupado com o sabor. Na Grécia, as ilhas do mar Egeu eram tidas como fonte de bom vinho. No Império Romano, o mais famoso deles vinha das encostas do Monte Falerno. Feitos de uvas-passas, ambos eram muito doces e, por isso, estragavam menos que os outros – o açúcar age como conservante natural. A técnica de produção era próxima à usada hoje para fabricar os chamados vinhos passificados, como o Vinsanto da ilha grega de Santorini ou o Passito, de Pantelleria, ilha italiana entre a Sicília e a Tunísia.
 
Foi só na Idade Média, quando a Igreja separou o vinho do culto daquele que se bebia no dia a dia, que a bebida de fato e secularizou. Curiosamente, foram os freis e abades que, isolados em seus monastérios, trabalharam na qualidade do vinho secular. Os mais importantes deles foram os monges beneditinos da Abadia de Cister, na Borgonha, que a partir do século XII mapearam alguns dos vinhedos mais caros dos nossos dias. A popularização das garrafas, no século XVII, possibilitou a criação de vinhos finos na Alemanha e na própria França. A grande massa, no entanto, continuou bebendo “uma mistura pavorosa até a segunda metade do século XX. Acredita Lukacs – que decerto nunca bebeu um vinho de garrafão brasileiro – que, dos anos 1990 para cá, até vinhos baratos deixaram de cometer pecados mortais.
 
Lukacs não é historiador mas é, sim, acadêmico (além de enófilo). Professor de inglês da Universidade Loyola Maryland, fundamenta sua hipótese com uma vasta bibliografia. Seu trabalho irrita quando prova ao leitor que a região de Bordeaux, ícone máximo da tradição em vinhos, só no século XVIII se tornou o que é hoje. Mas pode ser de grande ajuda ao apreciador de vinhos, ao estudioso de história ou antropologia e a todo aquele que busca entender os favoritismos do paladar para essa bebida ancestral – mas moderna.

 

http://ocontornodasombra.blogspot.com.br/

Anúncios

Caro leitor, peço que seu comentário seja sempre em relação à publicação. Obrigado!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s