Discriminação dentro de ônibus desperta debate sobre intolerância religiosa

Alexandre L'Omi L'Odò. Foto: Rafael Martins/DP

Adaíra Sene

Ele é amaldiçoado, macumbeiro, catimbozeiro, dessas religiões, víbora do inferno, illuminati do satanás. Não faltaram termos pejorativos para um grupo de evangélicos queimar Alexandre L’Omi L’Odò, sacerdote da jurema, na inquisição da pós-modernidade. E nos novos tempos, o julgamento vem em cliques. As imagens das ofensas caíram nas redes sociais e causaram inquietação. Se nos séculos passados as chamas ardiam sob alegação de combate à heresia, no último dia 09, as palavras incendiaram com o intuito único de exterminar o diferente. Em um país miscigenado, foi no terminal de ônibus de Xambá – assim denominado em respeito à Nação Xambá ainda viva em Olinda – que um seguidor da religião de matriz africana e indígena se viu coagido por suas crenças. A intolerância vivida por Alexandre – produtor cultural, fundador do Quilombola Cultural Malunguinho e estudante de mestrado em Ciências da Religião – agora é investigada pelo Ministério Público de Pernambuco.

“A maioria do nosso povo abaixa a cabeça e guarda para si quando nos agridem. Eles usam adjetivos para desqualificar nossa tradição, sacerdócio e nossos símbolos religiosos. Eu não saí de casa para brigar com ninguém, mas reagi. Tive que enfrentar isso como os velhos guerreiros malunguinhos enfrentavam”, desabafou.

No dia 09, por volta das 20h, ele entrou num ônibus que fazia a linha TI Xambá/Encruzilhada, no Terminal de Xambá, acompanhado do afilhado de jurema Henrique Falcão. Os dois seguiam para a casa de axé Ilé Iyemojá Ògúnté, em Água Fria. Mas, segundo o juremeiro, ao entrar no ônibus, um vendedor de açaí começou uma pregação e instigou os evangélicos que estavam no coletivo contra ele. Teria dito, inclusive, que sabia da existência de um grande terreiro de “macumba” por trás da estação, o Terreiro Xambá, comandado por “um negão pai de chiqueiro”, citando o babalorixá Ivo de Xambá. 

“Ele falou do meu povo e de um sacerdote. Fui diretamente atingido e reagi. Ainda me chamou para brigar dizendo que o demônio não conseguiria atingir um filho de Deus. Sou pacifista, mas não abaixo minha cabeça. Rebati com argumentos convincentes sobre o desrespeito dele até mesmo aos princípios da religião que segue, que diz que não devemos julgar. Algumas pessoas concordaram, mas outras se manifestaram até com o Espírito Santo contra mim”, detalhou. A confusão foi tamanha que até mesmo o vigilante do Terminal Integrado foi até o ônibus. “Seguranças e fiscais da estação mandaram que nos retirássemos. Óbvio que também os rebati dizendo que paguei a passagem e que eu era a pessoa que estava sendo violentada”. Segundo Alexandre, a discussão só terminou quando ele chegou ao seu destino.

Indignado, o juremeiro publicou um vídeo que fez das ofensas no Facebook no último 12. A postagem alcançou grande repercussão e – até a noite desta sexta-feira – tinha mais de 500 compartilhamentos. Alexandre L’Omi L’Odò, então, levou a denúncia para o Ministério Público. O caso foi registrado nessa quinta-feira. O MPPE, por meio da Promotoria de Justiça de Transporte, colheu o depoimento dele e vai instaurar um procedimento investigativo. No prazo de 30 dias, o caso será analisado para que sejam tomadas as medidas cabíveis. O promotor de Justiça Humberto Graça foi designado para a ocorrência.

Regulamentação do Grande Recife
De acordo com o anexo 15 do Regulamento do Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife (STPP/RMR), não é permitida a atividade de vendedores ambulantes dentro dos veículos, assim como é proibido qualquer usuário de falar em voz alta (seja para vender, anunciar, pedir, pregar religiões, etc) de modo que perturbe o sossego dos demais usuários.

http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/vida-urbana/2016/06/17/interna_vidaurbana,651021/discriminacao-dentro-de-onibus-desperta-debate-sobre-intolerancia-reli.shtml

Anúncios

Teologia Feminista infiltrada na Igreja Católica

Resultado de imagem para teologia feminista

Cristian Derosa

Aborto, ordenação de mulheres, “desconstrução da moral cristã tradicional”, ampliação dos direitos sexuais e reprodutivos e ideologia de gênero. Estes são os objetivos da ‘Teologia Feminista’ (TF), que já se infiltrou na estrutura da Igreja Católica através de mulheres ativistas da Teologia da Libertação (TL). Essa infiltração dentro da Igreja tem sido cada vez mais evidente por meio da aproximação de ONGs como as Católicas Pelo Direito de Decidir, financiadas pelas fundações internacionais Ford e McArthur.

Apesar de escandalosa, essa infiltração parece gozar de pouca atenção ou conhecimento do clero católico que, ou desconhece ou faz pouco caso. A verdade é que a Teologia da Libertação, ideologia praticamente hegemônica nos seminários católicos ainda hoje no Brasil, não parece contar com instrumentos para combater esse problema.

Em 2015, quando a Ideologia de Gênero estava sendo amplamente rejeitada pela maioria da população brasileira, o clero progressista da Igreja, envolvido com o marxismo da Teologia da Libertação, ajudou, por meio da CNBB, a expurgar o monstro que avançava (e ainda avança) sobre as nossas escolas. Mas isso aconteceu porque a vertente cultural da revolução marxista não contava ainda com a adesão da Teologia da Libertação, baseada nas abordagens mais ortodoxas e econômicas, classicamente ligada aos pobres. É exatamente isso que a Teologia Feminista pretende mudar.

Segundo Dom Estêvão Bittencourt, “a Teologia Feminista, cultivada na Europa e nos Estados Unidos, chega a reivindicar a extinção das diferenças de trato para mulheres e homens na sociedade, tecendo teorias sobre o andrógino primitivo para justificar suas teses”.

Ecumenista por natureza, há 25 anos mantém o curso de extensão de Teologia Feminista em universidades luteranas. Na Igreja Católica, essa abordagem aparentemente inovadora tem sido recebida com entusiasmo em eventos itinerantes sediados em conventos e mosteiros pelo país, contando com a presença de ONGs feministas como as Católicas pelo direito de decidir. O que devia ser escandaloso para a maioria dos católicos, parece , no entanto, ocorrer debaixo dos olhos de todos.

Por meio de congressos regionais, há alguns anos a ONG Católicas Pelo Direito de Decidir (CDD) faz-se presente na estrutura da Igreja Católica e já conta com grupos de trabalho plenamente estabelecidos. É o caso da Estef – Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana, das Faculdades Est e do Cebi, em Porto Alegre, que tem sediado o Encontro Estadual de Teologia Feminista desde 2015.

O encontro do ano passado (2016), teve como tema: Teologia Feminista Superando violências. Os objetivos do encontro promovido pelos institutos de teologia do Rio Grande do Sul foi “partilhar reflexões e práticas para a superação de violências de gênero (…) proporcionar a convivência e conhecimento das pessoas que atuam na superação da violência de gênero e de fomentar criação de redes de diálogo em Teologia Feminista”.

Mas a infiltração da ONG ‘Católicas’ (CDD) na Igreja Católica é bastante discreta. Seus eventos ocorrem por meio de leigos e clérigos progressistas ligados a organizações de feição esquerdista e apoiadoras de políticas de gênero dentro da Igreja, ideias abertamente rejeitadas pela Igreja Católica. Daí a sua discrição.

Nascida no seio da Teologia da Libertação
A Teologia Feminista, no Brasil, nasceu dentro dos debates da Teologia da Libertação, entre lideranças femininas que não encontravam respostas da TL para suas reivindicações. Algumas alas da Teologia da Libertação rejeitam expressamente a mentalidade abortista, como é o caso de algumas regionais da CNBB, que manifestaram-se contra as CDD.

Internacionalmente, pode-se datar o início da Teologia Feminista a partir do trabalho de Elisabeth Cady Staton, protestante e militante do movimento sufragista. Por volta dos anos de 1895-1898, Staton publica, em colaboração com um grupo de mulheres protestantes que realizavam estudos bíblicos, a Bíblia da Mulher (Woman´s Bible). Estabeleceram-se aí a relação militância e religião como parte constitutiva da Teologia Feminista.

Em 1911, na Grã Bretanha, um grupo chamado Aliança Joana D’arc, reivindica a igualdade entre mulheres e homens e criticava a visão única e hegemônica de um Deus somente masculino. A  crítica desse movimento direcionava-se à visão androcêntrica de Deus e expressava-se na frase: “Orai a Deus, e Ela os ouvirá.”

Na América Latina, a Teologia Feminista começou a tomar corpo nos anos de 1960 e 1970. Ivone Gebara, Elza Tamez, Maria Pilar Aquino entre outras, foram algumas referências para a região.

A vertente atual baseia-se principalmente na reivindicação do aborto, o que fazem por meio da tentativa de demonstrar que a Igreja nem sempre condenou a prática e que, portanto, não se trata de uma condenação baseada em uma moral objetiva, mas dependente da época. A principal publicação neste sentido é do livro Uma história não contada: a história das ideias sobre o aborto na Igreja Católica. O livro é uma tentativa de comprovar o relativismo moral no cristianismo.

A TF como é hoje pode ser considerada um produto direto da atuação das Católicas Pelo Direito de Decidir. De sua declaração de princípios, destacamos três:

a) Desconstruir, nas bases da tradição cristã, uma cultura que oprime as pessoas nos âmbitos da sexualidade e da reprodução;

b) Construção de um discurso “ético-teológico feminista pelo direito de decidir”;

c) Promoção de diálogo com a sociedade sobre a religião e a vida das mulheres.

O clero católico, mesmo alertado do perigo desta ONG abortista de financiamento internacional, parece estar fazendo vista grossa a esta escandalosa invasão que causará, em breve, a aceitação do aborto por parte dos fieis leigos e até mesmo do clero.

http://midiasemmascara.org/artigos/religiao/teologia-feminista-ja-faz-parte-da-estrutura-da-igreja-catolica-no-brasil/

Jesus Cristo realmente existiu? O que dizem as fontes não-religiosas?

Resultado de imagem para jesus cristo existiu

Carlos Martins Nabeto

Algumas pessoas afirmam que Jesus Cristo nunca existiu. Alegam que a vida de Jesus e os evangelhos são mitos criados pela Igreja. Essa lamentável afirmação se baseia, principalmente, na crença de que não existem registros históricos de Jesus.

Tal carência de registros seculares (isto é, não ligados à esfera religiosa) não deve surpreender os cristãos de hoje. Primeiro, porque apenas uma pequena fração dos registros escritos sobreviveram ao tempo (nada, nada, são 20 séculos!). Segundo, porque existiam poucos – se é que de fato realmente existiam – “jornalistas” na Palestina do tempo de Jesus. Terceiro, porque os romanos viam o povo judeu como apenas mais um dos grupos étnicas que precisavam tolerar; os romanos tinham pouquíssima consideração para com o povo judeu. Finalmente, porque os líderes judeus também ansiavam esquecer Jesus. Assim, os escritores seculares somente começaram a se referir sobre o Cristianismo quando este movimento religioso tornou-se popular e começou a incomodar o estilo de vida que tinham.

Ainda que os testemunhos seculares sobre Jesus sejam raros, existem alguns poucos que sobreviveram ao tempo e faz referências a Ele. Não é de se surpreender que os registros não cristãos mais antigos tenham sido feitos por judeus. Flávio Josefo, que viveu até 98 dC, era um historiador judeu romanizado. Ele escreveu livros sobre a História dos Judeus para o povo romano. Em seu livro, “Antiguidades Judaicas”, ele faz algumas referências a Jesus. Em uma delas, ele escreve:

Por esse tempo apareceu Jesus, um homem sábio, que praticou boas obras e cujas virtudes eram reconhecidas. Muitos judeis e pessoas de outras nações tornaram-se seus discípulos. Pilatos o condenou a ser crucificado e morto. Porém, aqueles que se tornaram seus discípulos pregaram sua doutrina. Eles afirmam que Jesus apareceu a eles três dias após a sua crucificação e que está vivo. Talvez ele fosse o Messias previsto pelos maravilhosos prognósticos dos profetas” (Josefo, “Antiguidades Judaicas” XVIII,3,2).

Muito embora diversas formas deste texto em particular tenham sobrevivido nestes vinte séculos, todas elas concordam com a versão citada acima. Tal versão é considerada a mais próxima do original – reduzindo as suspeitas de adulteração do texto por mãos cristãs. Em outros lugares de sua obra, Josefo também registra a execução de São João Batista (XVIII,5,2) e o martírio de São Tiago o Justo (XX,9,1), referindo-se a este como “o irmão de Jesus que era chamado Cristo”. Deve-se notar que o emprego do verbo “ser” no passado, na expressão “Jesus que ERA chamado Cristo” testemunha contra uma possível adulteração cristã já que um cristão certamente escreveria “Jesus que É chamado Cristo”.

Uma outra fonte judaica, o Talmude, faz algumas referência históricas a Jesus. De acordo com o Dicionário da American Heritage, o Talmude é “a coleção de antigos escritos rabínicos que consiste da Mishná e da Gemara, e que constitui a base da autoridade religiosa para o Judaísmo tradicional”. Ainda que não faça referência explícita ao nome de Jesus, os rabinos identificam a pessoa em questão com Jesus. Essas referências a Jesus não são simpáticas nem a Ele nem à sua Igreja. Esses escritos também foram preservados através dos séculos pelos judeus, de maneira que os cristão não podem ser acusados de terem adulterado o texto.

O Talmude registra os milagres de Jesus; não é feita nenhuma tentativa de negá-los, mas relaciona-os como frutos de artes mágicas do Egito. Também sua crucificação é datada como tendo “ocorrido na véspera da Festa da Páscoa”, em concordância com os evangelhos (Lc 22,1ss; Jo 19,31ss). Também de forma semelhante ao evangelho (Mt 27,51), o Talmude registra a ocorrência do terremoto e o véu do templo que se dividiu em dois durante a morte de Jesus. Josefo, em sua obra “A Guerra Judaica” também confirma esses eventos.

No início do séc. II, os romanos começaram a escrever sobre os cristãos e Jesus. Plínio o Moço, procônsul na Ásia Menor, em 111 dC escreveu em uma carta dirigida ao imperador Trajano:

…[os cristãos] têm como hábito reunir-se em uma dia fixo, antes do nascer do sol, e dirigir palavras a Cristo como se este fosse um deus; eles mesmos fazem um juramento, de não cometer qualquer crime, nem cometer roubo ou saque, ou adultério, nem quebrar sua palavra, e nem negar um depósito quando exigido. Após fazerem isto, despedem-se e se encontram novamente para a refeição…” (Plínio, Epístola 97).

Uma atenção especial deve ser dada à frase “a Cristo como se este fosse um deus”; trata-se de um testemunho secular primitivo atestando a crença na divindade de Cristo (Jo 20,28; Fil 2,6). Também é interessante comparar esta passagem com At 20,7-11, que é uma narração bíblica sobre a primitiva celebração cristã do domingo.

Um outro historiador romano, Tácito, respeitado pelos modernos pesquisadores por causa de sua precisão histórica, escreveu em 115 dC sobre Cristo e sua Igreja:

“O fundador da seita foi Crestus, executado no tempo de Tibério pelo procurador Pôncio Pilatos. Essa superstição perniciosa, controlada por certo tempo, brotou novamente, não apenas em toda a Judéia… mas também em toda a cidade de Roma…” (Tácito, “Anais” XV,44).

Mesmo desprezando a fé cristã, Tácito tratou a execução de Cristo como fato histórico, fazendo relação com eventos e líderes romanos (cf. Lc 3,1ss).

Outros testemunhos seculares ao Jesus histórico incluem Suetônio em sua “Biografia de Cláudio”, Phlegan (que registrou o eclipse do sol durante a morte de Jesus) e até mesmo Celso, um filósofo pagão. Precisamos manter em mente que a maioria dessas fontes não eram apenas seculares mas também anti-cristãs. Esses autores seculares, inclusive os escritores judeus, não desejavam ou intencionavam promover o Cristianismo. Eles não tinham motivação alguma para distorcer seus registros em favor do Cristianismo. Plínio realmente punia os cristãos pela sua fé. Se Jesus fosse um simples mito ou sua execução uma mentira, Tácito teria relatado tal fato; certamente, ele não teria ligado a execução de Jesus com líderes romanos. Esses escritos, portanto, apresentam Jesus como um personagem real e histórico. Negar a confiabilidade dessas fontes que citam Jesus seria negar todo o resto da história antiga.

Não é intenção deste artigo provar que esses antigos escritos seculares testemunham que Jesus seja o Filho de Deus ou o Cristo. Porém, esses registros mostram que um homem virtuoso chamado Jesus viveu nesta Terra no início do séc. I dC e fundou um movimento religioso que perdura até os nossos dias. Esse Homem foi chamado de Cristo – o Messias. Os cristãos do primeiro século também O consideravam como Deus. Por fim, esses escritos suportam outros fatos encontrados na Bíblia a respeito da vida de Jesus. Logo, afirmar que Jesus nunca existiu e que sua vida é um mero mito compromete a confiabilidade de toda a história antiga.

http://blog.comshalom.org/carmadelio/52619-jesus-cristo-realmente-existiu-que-nos-diz-as-fontes-historicas-nao-religiosas

Fé e Razão: Distinguir para unir

Ivo de Kermantin

O Espírito Santo nos lembra, pela boca dos três jovens na fornalha, do livro do profeta Daniel, duas verdades elementares: nós somos obra do Senhor e devemos louvá-lo para sempre.  Na linguagem filosófica, se diz que Deus é nossa causa eficiente, ou causa primeira, e nossa causa final. Deus é nosso criador e é também nosso fim, nosso sumo bem. Já os filósofos antigos o tinham dito, e a maior parte das civilizações o tinha por certo, ainda que suas crenças fossem cheias de erros.

Que Deus seja nosso Criador, sabendo que Ele nos transcende infinitamente, não é algo difícil de compreender. Um problema aparece, entretanto, considerando esta mesma transcendência, para compreender como Deus possa ser nosso fim último. Nós temos uma inteligência e uma vontade. O fim da inteligência é conhecer e o fim da vontade é amar. Sabendo que só pode ser amado aquilo que é conhecido, se o homem não pudesse conhecer a Deus, ele seria totalmente privado do seu fim.

Existem duas maneiras pela qual nós podemos conhecer a Deus: pela razão ou pela Fé. Nossa razão conhece todas as coisas a partir de um conhecimento sensível[2].  Ora, Deus sendo um ser puramente espiritual, apenas os seus efeitos podem ser atingidos pelos nossos sentidos. Logo, o conhecimento que temos de Deus pela razão é limitado. Nós podemos conhecer pela razão, por exemplo, que Deus existe, mas o conhecimento de Deus que nós temos pelos seus efeitos, não é suficiente para nos fazer conhecer a essência divina. Existem, então, verdades sobre Deus que são inacessíveis a nossa razão.

Mas, visto que o homem precisa conhecer a Deus infinito, que é o seu fim, para que ele possa ordenar a Deus suas intenções e suas ações, convinha que estas verdades fossem propostas para a aceitação da nossa fé, já que elas excedem os limites da razão. Pela fé, então, nós podemos conhecer aquilo que é inacessível à razão, porque nós cremos naquilo que Deus nos ensinou, mesmo se o nosso raciocínio não consegue prová-lo.

Ora, na Revelação, além das verdades que excedem os limites da nossa razão, também são propostas à aceitação da nossa fé verdades acessíveis à nossa razão. Isso parece absurdo à primeira vista porque nada pode ser conhecido pela razão e aceito pela fé ao mesmo tempo[3]. No entanto, não só é possível que as verdades acessíveis à razão sejam propostas à aceitação de nossa fé, mas é mesmo salutar, porque algumas verdades podem ser conhecidas pelos sábios, mas cridas pelos ignorantes. Além do que, muitas vezes por causa da fraqueza do nosso entendimento e das falhas da nossa imaginação, o erro se introduz no nosso conhecimento. Por isso era salutar que a Providência impusesse como verdade de fé algumas verdades acessíveis à razão, afim de que todos participassem tranquilamente do conhecimento de Deus sem medo de dúvida nem de erro[4]

Assim, a fé não é uma violência imposta à nossa razão, mas, ao contrário, ela confere ao conhecimento racional a sua perfeição e o seu acabamento. Não pode, igualmente, existir contradição entre fé e razão porque, sendo Deus o autor da natureza, é dele que vêm o conhecimento natural que nós temos dos princípios e entre uma razão dada por Deus e uma Revelação que vem de Deus não pode haver contradição[5].

Enfim, unidas fé e razão, não se deve confundi-las. Se a fé anima a razão, a razão que apoia a fé não deixa por isso de fazer operações puramente racionais e de afirmar conclusões fundadas sobre a única evidência dos primeiros princípios, comuns a toda inteligência humana (ex.: principio de não contradição) [6]. Se, ao contrário, a fé for posta como única garantia da razão, não só a razão se torna inútil porque ele não nos traz nenhuma certeza, mas também a fé perde toda a sua força, porque ela perde o seu suporte que é a razão[7].

[1] “Obras do Senhor, bendizei todas ao Senhor; louvai-o e exaltai-o por todos os séculos”.

[2]Nihil est in intellectu quod non priusfuerit in sensu.

[3]Impossibile est quod de eodemsit fides etscientia (Qu. disp. de Veritate, qu. XIV, art.9, ad Resp., et ad 6m.

[4] Cont. Gent., I, 4.

[5] Cont. Gent., I, 7

[6] GILSON, Etienne. Le Tomisme (livro sobre o qual é baseado todo esse artigo)

[7] Um ser sem inteligência não pode ter a fé.

 

“ENQUANTO ROMA ARDE EM CHAMAS, NERO TOCA HARPA”

https://virtusimpavida.files.wordpress.com/2014/03/38fe9-10001137_754785821212843_398329575_o.jpg

Faço questão em postar este pronunciamento de um jovem seminarista e de um futuro sacerdote. Nem tudo está perdido na Igreja. Quando lemos algo assim vindo de alguém que se prepara para subir ao “altar de Deus”, renascem em nós a esperança.

Diante da crise tremenda que assola a Barca de Pedro, crise de fé que chegou ao mais alto cume dos degraus da confissão, essa visão de um seminarista nos faz rezar mais pelo triunfo do Coração Imaculado de Maria.

Alguém escrevia sobre esse episódio escandaloso de uma religiosa dançando feito funqueira, com hábito e tudo: ” Enquanto Roma arde em chamas, Nero toca harpa!” Rezemos! É o triunfo daquilo que um dia foi condenado por S. Pio X.

Boa leitura

Pe. Marcélo Tenorio

***
POR QUE O SUSTO?

Por Thiago FRagoso

Desde a noite da última quarta-feira (19) não se fala sobre outra coisa nos círculos católicos a não ser sobre a Ir. Cristina Scuccia (25 anos) e sua maravilhosa performance no “The Voice Italia”. Envergando seu hábito, a religiosa cantou e dançou a música “No one” de Alicia Keys. Aplaudida de pé pelo auditório, Ir. Cristina causou expressões de susto e estranheza nos quatro jurados que, ao girar a cadeira, depararam-se com uma freira cantando no palco. Em vista disso, alguns amigos enviaram mensagens pelo inbox perguntando o que eu achei sobre o fato. Ofereço-lhes agora a minha reflexão.

Em primeiro lugar, devo dizer que achei aquilo o cúmulo do ridículo. Uma religiosa cantando e dançando uma música profana num palco mundano… O que Madre Teresa diria sobre esse fato lamentável? Alguns protestarão afirmando que é um novo modo de evangelizar. Evangelizar? A que preço? Conformando-se ao jeito de ser e às expectativas do mundo? O Cardeal Cerejeira, grande Patriarca de Lisboa, dizia que o que o mundo espera do consagrado é que ele não se iguale ao mundo.

Não me admira que os jurados tenham feito aquela cara de espanto. O último tipo de pessoa que se poderia imaginar num palco daqueles é um freira! A prova mais clara dessa incompatibilidade é a cara de susto dos jurados, porque o mundo – e os jurados parecem-me representar bem esse mundo – reconhece bem o que é seu e o que não é, como nos diz o querido Pe Marcelo Tenorio.

Interessante também a pergunta de Raffaela Carrà (uma das juradas) sobre qual seria a reação do Vaticano àquela apresentação. Até na mente da Sra. Carrà aquela performance se opõe ao que se espera do comportamento das religiosas. Qual a resposta da freira? “Olha, não sei, espero um telefonema do Papa Francisco. Ele nos convida a sair, evangelizar, a dizer que Deus não nos tira nada, pelo contrário, nos dá ainda mais. Eu estou aqui por isso”. Será que é isso mesmo que o Santo Padre tem em mente quando nos convida a sair, evangelizar, etc.? Precisamos ter cuidado para não interpretar erroneamente as palavras do Santo Padre, senão vamos terminar “evangelizando” no “Rock in Rio” ou na “Parada Gay” de São Paulo. Imaginem aí as freiras de hábito cantando num trio de Ivete Sangalo no Carnaval baiano. Imaginem as religiosas desfilando de hábito como ‘destaque’ na Marquês de Sapucaí para ‘evangelizar’.

A maioria das pessoas olha para um fato lamentável desses e aplaude como se fosse a coisa mais normal do mundo! Não acho normal que uma mulher que decidiu consagrar sua vida ao Senhor faça parte desse ‘circo’ funesto. Não acho normal que uma religiosa participe desse tipo de programa cantando frases como: “Você pode ter certeza de que só vai melhorar, você e eu juntos dias e noites. Eu não me preocupo porque tudo vai dar certo” (You can be sure that it will only get better, you and me together through the days and nights. I don’t worry ‘cause everything’s gonna be alright). Que letra evangelizadora! Aposto que moveu os corações de todos a retornar ao Senhor. “Só que não”!

E as caretas dela? E os seus pulinhos e gestos satânicos apontando o indicador e o mínimo para o alto? Tudo em nome de uma pseudo-evangelização. Não nos enganemos, meus caros! A radicalidade do Evangelho não comporta determinados comportamentos por parte de cristãos. Se a Ir. Cristina aprecia esse tipo de música, tudo bem. Mas, por gentileza, ‘sorella’, não nos exponha o escárnio. Não dê motivos aos inimigos da cruz de Cristo para pensar que, por causa de comportamentos como o seu, eles podem encontrar no Catolicismo um aliado.

Rezemos ao Senhor para que conceda a todos nós uma real compreensão do significado do nosso Batismo e das exigências que as nossas opções de vida comportam. Ouçamos a advertência do Apóstolo São Paulo: “Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos, renovando vossa maneira de pensar e julgar, para que possais distinguir o que é da vontade de Deus, a saber, o que é bom, o que lhe agrada, o que é perfeito” (Rm 12,2).

Que Deus nos ajude!

Thiago Fragoso
João Pessoa, 21 de março de 2014

http://www.padremarcelotenorio.com/